No período de 11 a 20 de abril, Dom Francisco Lucena (Diocese de Nazaré-PE) estará reunido com bispos de todo o Brasil na 56ª Assembleia Geral da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (AG – CNBB), em Aparecida (SP). Na ocasião, serão realizados estudos, debates e definições acerca das “Diretrizes para a Formação dos Presbíteros da Igreja no Brasil”.

Para Dom Lucena, a discussão dessa temática é de suma importância para o cenário atual da Igreja No Brasil. “É importante tratar dos desafios da formação dos presbíteros hoje. É necessária uma formação mais integral e sistemática”, declarou. E disse ainda: “Temos que avançar, aprimorar e ampliar a formação dos futuros, bem como desenvolver uma formação permanente para os atuais presbíteros neste tempo de mudanças. Acredito que as novas diretrizes irão dedicar um espaço muito grande à formação permanente”, finalizou.

Segundo o Secretário-Geral da CNBB, também Bispo Auxiliar de Brasília (DF), Dom Leonardo Ulrich Steiner, a finalidade é atualizar essas Diretrizes, que já estão em vigor desde 2010, data de sua aprovação, por ocasião da 48ª Assembleia Geral da CNBB. “Essa atualização é motivada especialmente pelo magistério do Papa Francisco e pela publicação pela Congregação para o Clero do documento, ‘O dom da vocação presbiteral’, que constitui a chamada Ratio Fundamentalis Institutionis Sacerdotalis”, comentou.

Com contribuições da Ratio Fundamentalis Instituitionis Sacerdotalis (um dos documentos que serve de base para a formação de seminaristas e do clero da Igreja), o texto prevê uma formação contínua e em caráter integral, voltada para as quatro dimensões que compõem o processo formativo e a própria vida dos ministros ordenados: humana, espiritual, intelectual e pastoral. A finalidade, conforme o documento, é conferir, aos futuros e atuais sacerdotes, “novos impulsos vitais, consoantes com a índole peculiar de nosso tempo”.

Questionado sobre o ‘perfil de sacerdote’ proposto pelas Diretrizes, o Bispo Diocesano de Nazaré reconhece que não é fácil especificar um perfil apropriado ao número de sacerdotes presentes em todo o território nacional, “formados em diversas mentalidades eclesiológicas”, como coloca. Ele aponta, contudo, algumas características que, segundo as Diretrizes, devem compor o perfil e a atuação ministerial dos presbíteros: “discípulos, missionários, servidores da vida, cheios de misericórdia, pastores e santos”. Dom Lucena conclui afirmando que as novas Diretrizes “estarão preocupadas não só com o conhecimento, mas com a experiência da fé que vai ser vivida, anunciada e celebrada pelo próprio sacerdote”.

Após a aprovação final pelo episcopado brasileiro, na 56ª Assembleia Geral, o texto seguirá para a Congregação para o Clero do Vaticano, onde será referendado. Só então ele se tornará, oficialmente, um documento da CNBB destinado à orientação e formação de novos presbíteros no Brasil.

A cerimônia de abertura acontecerá no Centro de Eventos padre Vítor Coelho de Almeida, no Santuário Nacional. Além do tema central, a Assembleia Geral da CNBB abordará ainda outros assuntos inerentes à vida das pessoas e da sociedade como um todo, sempre direcionados à perspectiva da evangelização.

Com informações do A12 e CNBB

Fonte: https://www.diocesedenazare.com/single-post/2018/04/10/Dom-Francisco-Lucena-participa-da-56%C2%AA-Assembleia-Geral-dos-Bispos-do-Brasil-em-Aparecida