Semana Santa

A Quaresma começa na Quarta-feira de Cinzas e termina na Quinta-feira Santa, na Missa da Ceia do Senhor, exclusive. Com a Missa da Santa Ceia, à tarde, inicia-se o Tríduo Pascal, não mais como um tempo de preparação, mas como uma unidade que comporta a totalidade do Mistério Pascal. A unidade do Tríduo está no próprio Cristo, uma vez que sua paixão e morte não está dissociada da sua ressurreição.

O costume judaico-cristão considera o início do dia desde a sua véspera; por esse motivo, a Sexta-feira Santa já começa no final da Quinta-feira Santa. Sendo assim, na Missa da Santa Ceia – quando se celebra a instituição da Eucaristia e a tradicional cerimônia do “lava-pés” -, o Senhor antecipa sua paixão. Faz-se, dessa forma, na Missa, o memorial da morte e ressurreição de Jesus. Em resumo: o Tríduo Pascal, da Paixão e Ressurreição do Senhor, começa com a missa vespertina da Ceia do Senhor, tem seu centro na Vigília Pascal e termina com as vésperas do domingo da Ressurreição.

A Semana Santa começa no Domingo de Ramos (25 de março), memória da entrada do Senhor em Jerusalém, dia da Jornada Diocesana da Juventude, e termina no Domingo da Páscoa (01 de abril), na Ressurreição do Senhor. Celebramos, com muita intensidade, os acontecimentos fundamentais de nossa fé, isto é, a Páscoa de Cristo, que compreende tanto o mistério da cruz e da morte, quanto a alegria do triunfo da Ressurreição. Essa semana nos faz recordar e reviver os passos mais decisivos da caminhada terrena de Jesus.

Na Quinta-feira Santa, há a sagração dos Santos Óleos na Catedral, Igreja-mãe, às 8h, junto com a renovação das promessas sacerdotais. À tarde, celebramos a Ceia do Senhor, o Sacrifício Eucarístico – um enlace do momento atual com a primeira missa. O Lava-pés repete, na humildade e no perdão, a necessidade de imitar o Senhor. E na Sexta-feira Santa, a morte de Cristo na cruz, que trouxe ao mundo a esperança e a redenção.  No Sábado Santo, durante todo o dia, vivemos o silêncio do Senhor, que repousa no túmulo novo aberto na rocha. À noite, dá-se início à celebração da Vigília Pascal, mãe de todas as celebrações da Igreja. Celebrar a Vigília Pascal é ressuscitar com Cristo. A vitória de Cristo é a vitória de todo cristão. Finalmente, no Domingo da Páscoa, celebramos a gloriosa Ressurreição de Cristo, a passagem da morte para a vida; a vitória daquele que, morto numa cruz e sepultado, ressuscitou dos mortos.

Todos somos convidados a refletir, no mais íntimo de nós: “Eu me entrego, Senhor, em tuas mãos, e espero pela tua salvação”.

Dom Francisco de Assis Dantas de Lucena

Bispo de Nazaré-PE

 

Fonte: https://www.diocesedenazare.com/palavra-do-bispo